Falta de dados sobre mortes maternas por COVID-19 comprometem a assistência obstétrica no Brasil

May 26, 2020

 

Todo ano, aos 28 de maio, o Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna, gineco-obstetras, entidades médicas, organizações de mulheres e instituições plurais interrelacionadas à saúde destacam esse antigo drama das brasileiras de todas as classes, em especial das mais vulneráveis socialmente.

 

Neste 2020, a data ganha contorno de relevância ainda maior e de preocupação ímpar. O Brasil, que há anos distancia-se de cumprir o estabelecido pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas (ONU), vê suas taxas piorarem ainda mais, em decorrência de um quadro que mescla falhas de gestão e falta de transparência na divulgação de óbitos provocados pela Covid-19.

 

A realidade – estarrecedora - é a de que não há dados oficiais sobre a morte de mulheres grávidas vítimas do Sars-CoV-2. São poucos os estados que oferecem estes dados, mas não são poucas as notícias veiculadas pela imprensa.

 

“Nosso país precisa se estruturar para o atendimento das gestantes com COVID”, afirma a presidente da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do estado de São Paulo, SOGESP, Rossana Pulcineli Vieira Francisco.

 

Antes da pandemia, os índices de mortalidade materna do País já se encontravam elevados, colocando-o muito acima da meta da Organização das Nações Unidas para 2015 (isso mesmo, para cinco anos atrás), que previa a redução de 35 para cada 100 mil nascidos vivos. Estamos mais longe ainda do patamar tido como aceitável pela Organização Mundial de Saúde (OMS), de 20 óbitos para cada 100 mil nascidos vivos.

 

“É uma situação grave e extremamente triste, pois um óbito materno acaba mexendo com toda a estrutura familiar”, destaca Rossana. Além da perda teoricamente evitável de uma vida, há uma criança que ficará sem uma mãe para cuidar dela e um núcleo de parentes desestruturado por negligência com a questão. É urgente discutir essas mortes estão ocorrendo e como isso irá impactar na razão de morte materna do Brasil”.

 

Na atual conjuntura, é imperativo a conscientização da sociedade. O pré-natal, assim como todo o protocolo de assistência à gestante tem que continuar normalmente. É indispensável que as futuras mães estejam informadas de que prosseguir com o acompanhamento à gravidez pode salvar sua vida e a do bebê.

 

Aliás, não é hora nem de se cogitar em abandonar o pré-natal. As gestantes têm de se cuidar com mais e mais atenção, vislumbrando a meta de um parto tranquilo, seguro e humanizado, em uma estrutura organizada e estruturada.

 

Please reload

Destaque

Live SOGESP aborda medicina fetal

July 8, 2020

1/10
Please reload

Posts relacionados
Please reload

Arquivo