A era dos protocolos


A prática médica exige um conjunto de qualidades e habilidades. Em todos os momentos, deve-se pautar a assistência no humanismo, adotando condutas focadas realmente na saúde e bem-estar do paciente.

Um bom médico não abre mão de uma anamnese apurada, de ouvir atentamente, de investigar, além de um minucioso exame físico. São premissas essenciais à Medicina; isso desde os tempos dos filósofos.

Todo o restante é complementariedade: exames de imagem, novas tecnologias etc. Tem de ser utilizados quanto realmente há necessidade.

O problema é que, em regra, protocolos foram institucionalizados indiscriminadamente na rede hospitalar. Quando um paciente entra, é imposto que uma série de condutas, exames e avaliações sejam realizadas, de forma a possibilitar mais ganho.

Sendo objetivo: a saúde pouco importa para certos hospitais. Os pacientes são simplesmente ferramentas para fazer mais dinheiro.

O resultado é que, atualmente, convivemos inclusive com óbitos originados pela falta de análise clínica, pela aberração de priorizar interesses outros que não o atendimento qualificado e a vida humana.

Aliás, faz algumas décadas, os valores da Medicina têm sido vilipendiados. Também por responsabilidade de escolas médicas mercantilistas, sem estrutura adequada à formação, a começar pela carência de um corpo docente de excelência.

Sempre destaco que só existe uma maneira de formar bons profissionais em nossa área. É pelo exemplo, é à beira do leito, transferindo saberes.

Ao fugir desse caminho, pouco a pouco, abrimos frente para o malfeito. Como constatamos agora nesta era de protocolos abusivos, de ostentação da tecnologia.

Tecnologia, obviamente, vira ameaça à saúde e à vida, se usada por instituições oportunistas e médicos incompetentes. O risco é agravado pela cultura do dr. Google, com milhões de informações equivocadas, errôneas e sem fundamento científico.

O Brasil precisa abrir os olhos e todos devemos compreender que é obrigação se contrapor à inversão de princípios. Na saúde, aliás, como em todos os campos, a competência, a dignidade, a honestidade e a transparência têm de ser regra.

Apenas com essa visão e com muito trabalho iremos mudar e conseguiremos deixar de ser um país promessa e nos tornar uma grande nação.

Prática médica exige raciocínio clínico, hipotético, dedutivo. Cada paciente é único e assim deve ser encarado, analisado e tratado. Não existem iguais entre pessoas. Nem os gêmeos intrauterinos. Nessa área, o médico é e sempre será soberano.

*Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.


1 visualização

(11) 3871-2331 | 3873-6083  

 3562-0088 | 99911-8117

Av. Pompéia, 634

Cj. 401 - São Paulo