A importância do consumo de vegetais para a saúde


Alimentos de origem vegetal, especialmente frutas, legumes e verduras (FLV), são indispensáveis para a composição de um padrão alimentar saudável. Esses alimentos contêm diversos elementos essenciais para a saúde, como vitaminas, minerais, fibras e outros compostos bioativos, favorecendo a manutenção da saúde e controle do peso corporal. No Brasil, 3 a cada 4 indivíduos permanecem consumindo menos frutas e hortaliças do que o recomendado, o que deve ser combatido de maneira abrangente pela sociedade civil e pelas instituições governamentais, já que o consumo diário e regular de vegetais traz inúmeros benefícios à saúde, como por exemplo:

Estímulo certo para a saúde intestinal

Os alimentos de origem vegetal são responsáveis pelo fornecimento de fibras solúveis e insolúveis que melhoram o trânsito intestinal. Além disso, tomate, banana, aspargos, frutas vermelhas, alho, cebola, chicória, vegetais verde e legumes, além de aveia, trigo, cevada e linhaça são fonte de prebióticos, substâncias não digeridas pelas enzimas humanas. Essas substâncias são fermentadas seletivamente por bactérias potencialmente benéficas ao organismo, produzindo ácidos graxos de cadeia curta, aumentando o volume fecal, reduzindo pH colônico, o que repercute favoravelmente na absorção de alguns nutrientes e na saúde sistêmica, incluindo controle glicêmico e lipídico.

Prevenção do declínio cognitivo

Com o aumento da expectativa de vida, cresce a projeção do número de idosos com demência, bem como o interesse em estratégias que possam reduzir o declínio das habilidades cognitivas, que é uma característica central da doença. O consumo de folhas verdes, que são fonte de beta-caroteno, luteína, nitrato, folato, fitosterol, vitamina E e K, demostra reduzir o declínio cognitivo. Esses nutrientes apresentam mecanismos de ação independentes e sinérgicos na proteção cerebral que inclui a redução do estresse oxidativo celular. O consumo diário de folhas verdes é uma maneira simples que contribui para a saúde cerebral.

Aliados no controle de peso

A saciedade é um fator relevante para controle do peso corporal e os vegetais podem exercer importante papel. Vegetais com maior teor de fibras exigem maior tempo de mastigação, levando a maior produção de saliva e suco gástrico e aumentando a distensão gástrica. As fibras solúveis presentes nos vegetais ligam-se a água, o que também pode aumentar a distensão gástrica e desencadear sinais vagais aferentes de plenitude, contribuindo para a saciedade durante as refeições e no período pós-refeição. Os vegetais também podem retardar o esvaziamento gástrico e diminuir a taxa de absorção de glicose no intestino, gerando resposta insulínica diminuída, que também está relacionado à saciedade.

Fator protetor contra doença coronariana e diabetes

O consumo diário de frutas, verduras e legumes reduz em 30% a razão de chance de desenvolver doença arterial coronariana, de acordo com o estudo INTERHEART. O estudo avaliou estilo de vida, parâmetros clínicos e bioquímicos de indivíduos em 52 países, e constatou que indivíduos que consomem mais de 15g de fibras/dia por meio da ingestão de vegetais apresentam redução do risco de diabetes.

Conclusão

Além de fornecer nutrientes essenciais ao ser humano, os vegetais são capazes de prevenir doenças e promover saúde. Recomenda-se o consumo variado e diário desses alimentos em todas as fases da vida.

Referências

World Health Organization; Food and Agriculture Organization of the United Nations. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Report of a Joint WHO/FAO Expert Consultation. Geneva: World Health Organization; 2003. (WHO Technical Report Series, 916).

Silva LESD, Claro RM. [Time trends in the consumption of fruits and vegetables among adults in Brazilian state capitals and the Federal District, 2008-2016]. Cad Saude Publica. 2019 May 20;35(5):e00023618.

Troesch B, Biesalski HK, Bos R, Buskens E, Calder PC, Saris WH, Spieldenner J, Verkade HJ, Weber P, Eggersdorfer M. Increased Intake of Foods with High Nutrient Density Can Help to Break the Intergenerational Cycle of Malnutrition and Obesity. Nutrients. 2015 Jul 21;7(7):6016-37.

Sousa VBB, Vasconcelos LPF, Araújo DG, et al. Constipação intestinal em crianças e a importância das fibras alimentares: Uma revisão da literatura. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 2019 (21), e561.

Markowiak P, Śliżewska K. Effects of Probiotics, Prebiotics, and Synbiotics on Human Health. Nutrients. 2017 Sep 15;9(9).

Holscher HD. Dietary fiber and prebiotics and the gastrointestinal microbiota. Gut Microbes. 2017 Mar 4;8(2):172-84.

Ferri CP, Prince M, Brayne C, et al. Global prevalence of dementia: a Delphi consensus study. Lancet 2005;366:2112–7.

Morris MC, Wang Y, Barnes LL, Bennett DA, Dawson-Hughes B, Booth SL. Nutrients and bioactives in green leafy vegetables and cognitive decline: Prospective study. Neurology. 2018 Jan 16;90(3):e214-e222.

Slavin J. Fiber and prebiotics: mechanisms and health benefits. Nutrients.2013 Apr 22;5(4):1417-35.

Yusuf S, Hawken S, Ounpuu S, Dans T, Avezum A, Lanas F, McQueen M, Budaj A, Pais P, Varigos J, Lisheng L; INTERHEART Study Investigators. Effect of potentially modifiable risk factors associated with myocardial infarction in 52 countries (the INTERHEART study): case-control study. Lancet. 2004 Sep 11-17;364(9438):937-52.

Hopping, B.N.; Erber, E.; Grandinetti, A.; Park, S.Y.; Kolonel, L.N.; Maskarinec, G. Dietary fiber, magnesium, and glycemic load alter risk of type 2 diabetes in a multiethnic cohort in Hawaii. J. Nutr. 2010, 140, 68–74.


2,965 visualizações

(11) 3871-2331 | 3873-6083  

 3562-0088 | 99911-8117

Av. Pompéia, 634

Cj. 401 - São Paulo