Ginecologistas apontam falta de debate sobre PL que incentiva cesáreas no SUS

August 20, 2019

 

 

Na última quarta-feira, 14 de agosto, a Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou o Projeto de Lei 435/2019, que incentiva o parto cirúrgico sem indicação médica na rede pública de saúde. A partir da 39ª semana de gestação, as mulheres poderão optar pelo parto cesariano no Sistema Único de Saúde (SUS). Agora, o projeto segue para sanção do governador João Dória, que ainda poderá veta-lo. 

 

A Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (Sogesp) se posiciona em favor da autonomia da mulher nos sistemas público e privado para optar pelo parto que achar mais conveniente. A entidade, entretanto, acha que o PL trata de um assunto muito importante, que demanda discussão prévia com os representantes dos sistemas de saúde, os Conselhos Regionais de Medicina e as sociedades de especialidade - como a própria Sogesp e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). 

 

“Assim, poderiam ser melhor avaliados alguns termos que estão colocados no projeto”, argumenta Maria Rita de Souza Mesquita, vice-presidente da Sogesp. A ginecologista enxerga um problema na utilização do termo “parturiente” no projeto – que é a mulher em trabalho de parto. “Entendemos que essa paciente está muito envolvida emocionalmente, fragilizada e com medo da dor e dos resultados. O que significa que o seu exercício da autonomia está extremamente prejudicado. O ideal é que se utilizasse o termo ‘gestante’, que significa a grávida durante os 9 meses. Essa é uma paciente que pôde receber instruções adequadas do médico no pré-natal, conhecendo os riscos e benefícios de cada tipo de parto”, explica. 

 

Maria Rita também se preocupa com o possível aumento indiscriminado das taxas de cesáreas no estado de São Paulo em decorrência deste projeto. O Brasil, inclusive, já possui a segunda maior taxa de partos cesarianos no mundo, com um índice próximo de 55%. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a taxa ideal deva ficar entre 10% e 15%. 

 

É fundamental também – entende a Sogesp – oferecer infraestrutura e recursos humanos para cumprir esse PL, não deixando recair sobre o médico que está atendendo a paciente. “Essa demanda deve ser suprida pelo sistema de saúde. Sabemos que, em São Paulo, sobretudo no interior, há hospitais que não possuem sequer um obstetra de plantão. E para que se realize uma cesárea, é necessário ter uma equipe completa, com cirurgião obstetra, auxiliar obstetra, pediatras e anestesista”, reforça a vice-presidente da entidade. 

 

Por fim, Maria Rita aponta como problemática a afirmação que está no PL de que a realização de cesáreas reduz o número de casos de paralisia cerebral em crianças. “Esse dado não encontra amparo na literatura médica. Pelo contrário, há dados que mostram que o aumento das taxas de partos cesarianos não traz modificação na ocorrência de paralisia cerebral”, finaliza.

Please reload

Destaque

Nota de esclarecimento sobre indução de proteínas de choque térmico

November 18, 2019

1/10
Please reload

Posts relacionados
Please reload

Arquivo
Please reload

TAGS