Conviver com a dor não é normal

May 8, 2018

 

Cerca 92% da população da terra sente dor pelo menos uma vez na vida. A dor é a forma que o organismo tem para avisar que algo não está certo. Elas podem indicar doenças que não seriam diagnosticadas se o nosso corpo não usasse essa ferramenta como um alerta e passariam despercebidas, causando um mal maior no futuro.

 

Para conscientizar médicos e pacientes, foi criado o Dia Internacional de Luta contra a Dor, comemorado em 28 de maio.

 

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a dor é um problema que atinge atualmente 42% da população. Os idosos são os mais atingidos. Aproximadamente 51% deles sofrem com dores pelo corpo.

 

Caso a dor seja constante, ela deve ser avaliada por um médico para descartar a possibilidade de essa ser uma dor crônica.

 

“A dor é considerada crônica quando é constante e dura mais de três meses”, explica o neurologista José Geraldo Speciali, membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABN).

 

Essas dores podem ter origem neuropática, ou seja, causadas por lesões no sistema nervoso (medula, raiz nervosa, nervos periféricos); ou dores nociceptivas, decorrentes de traumas ou outras lesões nas articulações, tendões, músculos, ossos, ligamentos etc.

 

De acordo com o Mapa da dor Crônica no Brasil, as três dores crônicas mais recorrentes

atingem as costas (lombalgia), a cabeça (enxaqueca) e as relacionadas ao câncer. “De acordo com um estudo feito recentemente no Canadá, também podemos colocar nessa lista a dor na nuca e no quadril. As dores crônicas aparecem, de maneira geral, entre as primeiras doenças mais prevalentes na população”, conta o neurologista.

 

Um alerta para as mulheres: as dores são mais comuns na população feminina, em todas as idades. Isso se explica porque as mulheres são mais cuidadosas com a sua saúde do que os homens, então procuram mais precocemente e mais frequentemente o auxílio médico. Outra explicação é que os hormônios femininos como estrógeno e progesterona facilitam a ocorrência de dor.

 

A boa notícia é que todas as dores crônicas têm tratamento. O ideal, nesses casos, é descobrir qual a causa da dor e tratá-la. Se a causa é curável, o tratamento será feito e a dor desaparecerá.

 

“Essas dores, em geral, são quase impossíveis de serem tratadas com um único profissional porque o tratamento de uma dor crônica não é só receitar uma medicação. É uma dor rebelde, resistente, que exige um tratamento multidisciplinar, envolvendo médicos, fisioterapeutas e psicólogos”, explica Speciali.

 

Para o neurologista, além conscientizar a população que ninguém deve sentir dor sem tratamento médico especializado, o Dia Internacional de Luta contra a Dor é importante para conscientizar os médicos de que essas dores existem. “Às vezes, o médico não dá muita importância para dor crônica porque elas não aparecem nos exames, então o objetivo é conscientizá-los de que dor crônica pode existir na ausência de doenças demonstráveis. Esclarecendo a população, isso conscientiza o médico e as autoridades públicas, contribuindo para o aumento no número de pessoas tratadas”, finaliza.

Please reload

Destaque

Beije com moderação

February 21, 2020

1/10
Please reload

Posts relacionados

February 21, 2020

February 19, 2020

Please reload

Arquivo