Vitória na defesa da remuneração da disponibilidade obstétrica

March 16, 2018

 

O Ministro Lázaro Guimarães, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), decidiu que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) não tem interesse em participar da discussão sobre a contratação da disponibilidade obstétrica. A decisão foi proferida no julgamento de recurso (Recurso Especial nº 1.293.470) da Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais (SOGIMIG) em ação proposta contra a Unimed BH.

 

Após a sentença, enquanto o processo tramitava em 2ª instância, a ANS pediu para ser incluída no polo passivo da ação, o que foi acolhido pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), determinando que o processo fosse analisado pela Justiça Federal – já que a ANS integra a estrutura da Administração Pública Federal. Com isso, todas as decisões da Justiça Estadual foram anuladas, entre elas, a sentença favorável aos obstetras.

 

Com a decisão do STJ, será também restaurada essa sentença, da Juíza da 21ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte, que declarou "a legalidade da cobrança pelos médicos cooperados da UNIMED-BH, de honorários em caráter particular, das pacientes associadas dessa Cooperativa, pelo atendimento obstétrico hospitalar fora do plantão, desde que previamente acordado com a gestante e não receba o profissional da Cooperativa pelo mesmo procedimento". Essa sentença beneficia apenas os obstetras cooperados da Unimed BH.

 

Ainda cabe recurso dessa decisão, que foi publicada em 09/02/2018. Caso ela seja mantida, o processo voltará ao TJMG para julgamento da apelação interposta pela UNIMED-BH, oportunidade em que esse Tribunal reavaliará o mérito da legalidade da contratação e cobrança da disponibilidade obstétrica.

 

A importância dessa recente decisão se deve ao fato de que o STJ declarou que a questão da contratação da disponibilidade obstétrica “se insere na seara de contratos de plano de saúde firmados livremente entre cidadãos e pessoas jurídicas de direito privado que prestam serviço médico-hospitalar” e que “trata-se de relação jurídica exclusivamente privada, ausente o interesse federal”.

 

Essa decisão vai no mesmo sentido da tese defendida pela SOGESP na ação proposta contra a ANS, de que não é competência dessa agência proibir o contrato entre médico e paciente dispondo sobre a disponibilidade obstétrica.

 

A SOGESP espera que esse recente posicionamento do STJ auxilie no julgamento de seu recurso pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Please reload

Destaque

Crianças inauguram horta comunitária ao som de Cio da Terra, de Milton Nascimento, ballet e workshop de grafitagem

November 14, 2019

1/10
Please reload

Posts relacionados
Please reload

Arquivo
Please reload

TAGS