APM alerta sobre “semi-residências” e ressalta título de especialista

January 16, 2017

 

Desde o fim do ano passado, a Associação Paulista de Medicina e as outras entidades médicas estaduais estão criando uma campanha pela valorização do título de especialista, com o objetivo de esclarecer a população sobre o assunto.

 

É de conhecimento da APM que existem cursos de pós-graduação, autorizados pelo Ministério da Educação (MEC), que se intitulam indevidamente como residência médica ou mesmo como “semi-residência”. Estes programas, de qualidade quase sempre duvidosa, prejudicam a percepção da população sobre os parâmetros para que um profissional seja considerado especialista.

 

“Temos que valorizar as residências e as sociedades de especialidades – que concedem os títulos com critérios bem estabelecidos e condizentes com a atividade médica. Cursos fora deste escopo tiram força das sociedades e permitem que qualquer unidade hospitalar possa dar um curso ao médico, mas sem a mesma dedicação que teria em uma residência”, avalia o diretor adjunto de Defesa Profissional da APM, Marun David Cury.

 

Esses cursos são, muitas vezes, ministrados por ensino à distância, com encontros presenciais em alguns fins de semana. Ou seja, não contam com conteúdo prático de atendimento nem de tutoria, como é preconizado para o bom ensino. E ao fim deles, alguns profissionais passam a se apresentar como especialistas para os pacientes ou mesmo recorrem à Justiça para pleitear o título de especialista.

 

A APM alerta a população que, para se intitular especialista em qualquer área, um médico precisa ter feito residência em um programa credenciado a alguma faculdade ou secretaria de Saúde, ou ser aprovado no exame das sociedades de especialidades após comprovar determinado tempo de serviço na área em questão.

Please reload

Destaque

Falta de dados sobre mortes maternas por COVID-19 comprometem a assistência obstétrica no Brasil

May 26, 2020

1/10
Please reload

Posts relacionados
Please reload

Arquivo