Vale do Paraíba é palco de palestras médicas sobre gestantes, lactantes e ambientes insalubres

December 16, 2016

Taubaté foi palco do Seminário Regional Vale do Paraíba, promovido pela Associação Paulista de Medicina do Trabalho (APMT), em 2 de dezembro. Sob o mote “O cuidado com a saúde das trabalhadoras gestantes e lactantes”, contou com a moderação do Dr Antonio Javier Salan Marcos, diretor das regionais da APMT. A programação abrangente e diversificada focou as recomendações para os ambientes de trabalho a que são submetidas às mulheres nessas condições.

 

Interferências das características do trabalho na evolução da gestação e complicações prevalentes em algumas atividades foram assuntos ministrados pelo Dr Angelo Guedelha, professor na pós-graduação em Medicina do Trabalho da Unitau. O palestrante alertou, principalmente, que nas primeiras doze semanas, momento de formação de todos os órgãos principais do feto, a exposição da grávida às condições insalubres pode comprometer o desenvolvimento fetal e causar malformações. 

 

Já o Dr Gregório Acácio, docente da Universidade de Taubaté, tratou de temas como teratogênese, assim como a relação entre perdas e malformações fetais com a exposição ocupacional a contaminantes, confirmando os pontos levantados na palestra anterior.

 

O Dr Thiago Fraga Arruda, coordenador do Hospital da Mulher, do PCSMO do Hospital Municipal Dr. José de Carvalho Florence e do SAMU, todos em São José dos Campos, abriu discussão sobre a experiência prática da aplicação do amparo legal à gestante e lactante no trabalho. Ocorreu debate acerca do deslocamento delas para áreas sem risco de insalubridade e os possíveis caminhos que a legislação trará a essas trabalhadoras. 

 

Por fim, o Dr Angelo debateu sobre o amparo legal no trabalho, abordando questões como insalubridade, afastamento e retorno ao trabalho concluindo: “Tivemos o cuidado de separar a legislação da medicina para mostrar que o trabalho em áreas insalubres pode provocar malformações ao feto”. 

 

Fechando o Seminário, o moderador Dr Antonio Javier Salan Marcos fez um balanço dos assuntos discutidos e propôs quatro premissas que ficaram claras neste evento:

 

1ª. Educação continuada dos profissionais envolvidos na saúde dos trabalhadores sobre o tema e a avaliação dos riscos no ambiente de trabalho deve ser incentivada.

 

2ª. As trabalhadoras devem ser orientadas das vantagens que terão em comunicar a confirmação do seu estado de gestante, o mais rápido possível, para que se possam avaliar os possíveis riscos ao desenvolvimento da gestação no ambiente de trabalho onde esta desempenhando suas atividades e assim tomar as medidas cabíveis.

 

3ª. Acompanhamento do recém-nato pelo Pediatra e pelo Serviço Social da Empresa, quando a mesma tiver esse serviço, em conjunto com Médico do Trabalho, pois essa conduta trará vantagens para a Empresa e para a Trabalhadora, que não necessitará dar explicações detalhadas sobre possíveis problemas nesse período, que podem exigir a presença dela por mais tempo ao lado do recém-nascido.

 

4ª. Recomendamos também o acompanhamento da trabalhadora gestante junto ao seu Obstetra, pelo Serviço Social da Empresa, quando a mesma tiver esse serviço, em conjunto com Médico do Trabalho, pois essa conduta trará vantagens para a Empresa e para a Trabalhadora, que não necessitará dar explicações detalhadas sobre possíveis problemas nesse período, que podem exigir afastamentos de suas atividades laborais, durante o desenvolvimento da gestação.

 

Estiveram presentes, essencialmente, médicos do trabalho, obstetras, médicos peritos, integrantes do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT), entre outros.

Please reload

Destaque

5 milhões de pacientes abrem suas portas aos médicos em tempo de Covid-19

June 3, 2020

1/10
Please reload

Posts relacionados
Please reload

Arquivo