Laços que unem médico e paciente

October 13, 2016

Dia do Médico, 18 de outubro, uma data de reflexão.  Em um mundo que consome novidades tecnológicas e faz delas muletas para distintas ações, cabe parar e pensar onde foi parar o humanismo.

 

No caso de medicina, a humanização das relações é simplesmente primordial. O elo entre médico e paciente deve ser necessariamente entretecido pela empatia, a cumplicidade, o respeito, o cuidado.

 

Certo é que a realidade não é bem essa. Hoje, muitos doutores nem se dão ao trabalho de levantar a cabeça e olhar nos olhos de seus pacientes. A anamnese parece ter perdido a importância. O toque, a conversa, o escutar vão aos poucos sendo descartados em clínicas, hospitais e consultórios como objetos fora de moda. Inapelavelmente vencidos pelo tempo.

 

Não. Não pode ser assim. Os exames precisam ser solicitados com base no diagnóstico. As imagens esfriam a relação médico paciente e encarecem a medicina.

 

A medicina ideal não pode em momento algum perder sua ternura. O paciente não pode se transformar em um simples número de apartamento, em uma carteirinha de plano de saúde, em uma doença.

 

Paciente tem rosto, tem corpo, tem alma, tem nome. O foco do médico deve ser tratar o doente; confortá-lo e curá-lo sempre que possível. E, quando não for mais possível, garantir a ele uma sobrevida digna.

 

Fazer essa reflexão em nosso Dia do Médico cada vez se torna mais essencial. Porém, temos de fazê-la diariamente e extirpar de nosso dia a dia os vícios que nos distanciam de nossos pacientes.

 

A humanização da prática médica precisa novamente ser valorizada. Devemos apurar nossa sensibilidade e observar o doente mais atentamente, olhá-lo em essência. Uma relação consistente exige confiança e responsabilidade. O compromisso e os deveres incutidos nessa interação são imprescindíveis para a boa prática médica.

 

A medicina, volto a frisar, jamais pode perder seu lado humanístico, curvando-se a interesses econômicos. Somos profissionais cuja obrigação é prestar assistência competente e qualificada, sem se importar com classe, cor, opção sexual ou credo.

 

As dificuldades que permeiam nosso ofício são diversas: pressão por consultas rápidas, falta de estrutura, interferência de terceiros e longa filas de espera, só para citar poucos exemplos. A negligência governamental em todos os níveis também é empecilho à boa relação com os pacientes: a formação hoje em dia é questionável, faltam investimentos à saúde, a rede suplementar prioriza o enriquecimento em detrimento da boa assistência.

 

Contudo, o bom médico não pode se curvar e aceitar passivamente as mazelas, sejam elas quais forem. Não podemos mecanizar o atendimento. Escolhemos lidar com pessoas e, por isso mesmo, temos de manter à flor da pele nosso lado humano.

 

Devemos sempre extrair o melhor do conhecimento, de nossa atenção, e transmitir alívio, deferência, para que o doente sinta-se abraçado, acolhido. Ele precisa desta proximidade e de cuidados; é um direito que deve prevalecer. 

 

Tais princípios tem de reger toda a comunidade médica. Precisamos zelar por nossa credibilidade perante a sociedade, pautando o exercício profissional no Código de Ética Médica. Desvios não podem ser aceitos em quaisquer circunstâncias. O bem estar de nossos pacientes devem ser a razão de cada um de nossos atos.

 

Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica

Please reload

Destaque

Papai Noel visita crianças com cardiopatia congênita do Dante Pazzanese

December 2, 2019

1/10
Please reload

Posts relacionados
Please reload

Arquivo