Beije com moderação


Com a chegada de mais um Carnaval, os foliões aproveitam os bloquinhos de rua e os trios elétricos para conhecer outras pessoas. Em clima de festa, os romances acontecem instantaneamente e é comum que muitos beijem, em um só dia, vários(as) parceiros(as) diferentes. Durante essa época, consequentemente, aumentam os casos de mononucleose ou “doença do beijo”.

A infecção é provocada pelo vírus Epstein-Barr, da família do vírus da herpes, especialmente em indivíduos entre 15 e 25 anos. “É muito comum entre os jovens, pois geralmente ocorre quando adolescentes não imunes contraem a doença logo nos primeiros beijos. Daí o nome de ‘doença do beijo’”, explica a dra. Thais Guimarães, infectologista da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Instituto Central do Hospital das Clínicas e Hospital Servidor Público Estadual e membro da Associação Paulista de Medicina (APM). O contato direto com saliva, objetos contaminados e a transfusão de sangue são as principais formas de contaminação.

Uma vez que o vírus alcance a orofaringe, provoca inchaço nos gânglios do pescoço, resultando em dor de garganta. Por interferir no sistema de defesa do organismo, pode causar, inclusive, o aumento do fígado e do baço. Cansaço, febre, mal-estar e náusea também são comuns enquanto o vírus estiver circulando no sangue. No entanto, na maioria das vezes, a infecção é assintomática.

Já a transmissão ocorre apenas no período de incubação (entre 30 a 45 dias após o contágio), mesmo quando não há a presença de sintomas. Uma vez infectado, o indivíduo pode tornar-se portador do vírus, mantendo-o em seu organismo para o resto da vida. “A pessoa que tem o primeiro contato com a mononucleose produz anticorpos, mas o vírus pode ficar latente e causar, posteriormente, outras patologias, como alguns tipos de tumores”, alerta dra. Thais.

O tratamento se resume em combater os sinais da infecção com analgésicos, anti-inflamatórios, antitérmicos e repouso. O contato físico deve ser evitado, aliado à ingestão de muito líquido para limpeza do organismo. A recuperação se dá, na maioria das vezes, em menos de um mês.

De forma geral, a “doença do beijo” não tem prevenção. Não existe vacina, tratamento (exceto o sintomático) ou preservativos que resolvam. Portanto, a dica é ter cuidado e moderação durante o Carnaval. “As pessoas que ficam beijando estão mais expostas, porque o contato se dá através da saliva contaminada. Se um indivíduo doente beijar uma, duas, três ou mais pessoas, ele estará passando o vírus para todas elas. Situações de aglomeração, como o Carnaval, são mais propícias à disseminação da mononucleose”, ressalta dra. Thaís.

Além disso, outras doenças ainda mais graves também podem ser transmitidas pelo beijo, como a gripe, a influenza, o resfriado, o sarampo, a rubéola e até o coronavírus. Durante a maior festa brasileira do ano, é preciso estar ciente dos riscos que vêm associados à curtição.


0 visualização

(11) 3871-2331 | 3873-6083  

 3562-0088 | 99911-8117

Av. Pompéia, 634

Cj. 401 - São Paulo