Dia Nacional de Combate à Cefaleia


Com números alarmantes da doença, especialista contra indica a automedicação

O Dia Nacional de Combate à Cefaleia, lembrado em 19 de maio, tem por objetivo chamar a atenção da população a respeito das dores de cabeça. Atualmente, a doença, que tem mais de 200 tipos de variações, e a enxaqueca está entre as que mais incapacitam as pessoas de realizarem suas atividades diárias.

Segundo a neurologista Célia Roesler, membro da International Headache Society e secretária do Departamento Científico de Cefaleia da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), no Brasil, o número estimado de pessoas com enxaqueca, a forma mais conhecida da patologia, já chega a 15% da população, ou seja, cerca de 30 milhões de pacientes.

Dados disponibilizados pela ABN mostram que, apesar de não ser o ideal, a doença, em suas variáveis menos agressivas, é altamente recorrente: 94% dos homens e 99% das mulheres brasileiras apresentam algum tipo de cefaleia ao longo da vida. Para a médica especialista, um dos grandes agravantes da situação é a automedicação.

“O uso constante e excessivo de analgésicos pode cronificar a dor de cabeça esporádica, dificultando ainda mais o tratamento. Além disso, o ato de se automedicar pode estar mascarando uma doença séria que necessita do devido diagnóstico, a ser realizado por um médico”, explica Célia.

Ela também pontua que “quando o paciente tem três ou mais crises por mês, há três meses seguidos, é preciso que este procure por ajuda especializada. Para todas as dores de cabeça há um recurso terapêutico, porém, quando falamos em tratamento, nos referimos não somente à medicação, mas também à mudança de hábitos de vida, como atividade física, horário de sono regular, dieta equilibrada e, muito importante, psicoterapia”.


74 visualizações

(11) 3871-2331 | 3873-6083  

 3562-0088 | 99911-8117

Av. Pompéia, 634

Cj. 401 - São Paulo