Pesquisa da ABN sobre enxaqueca expõe o grave quadro de automedicação no Brasil


Pessoas que sofrem de enxaqueca crônica são as que mais abusam de analgésicos

A Academia Brasileira de Neurologia (ABN), com o apoio do seu Departamento Científico de Cefaleia, acaba de realizar uma sondagem eletrônica para traçar um perfil dos que sofrem com a doença.

De forma espontânea, 2.318 pessoas responderam a questionário estruturado, on-line, distribuído pelas redes sociais, com a grande maioria, 97%, afirmando que teve dor de cabeça no último ano.

Foi maciça a participação do sexo feminino na pesquisa – 88% contra 12% de homens –, o que confirma o predomínio da doença entre as mulheres.

Do total de participantes da pesquisa, o diagnóstico de cefaleia que prevaleceu foi o da enxaqueca – 87% ou 1912 pessoas, das quais 946 sofrem de cefaleia episódica, com menos de 15 dias de ocorrência por mês, e 966 têm o tipo crônico.

A sondagem via internet com respostas espontâneas mostra ainda a influência da doença nas atividades produtivas dos entrevistados, com 28% dos que sofrem de enxaqueca episódica sem emprego, número que sobe para 33% entre as vítimas do tipo crônico.

Automedicação

Mas a maior diferença entre os pacientes de enxaqueca episódica e da crônica é na questão sobre abuso de analgésicos – 36% entre os primeiros contra 74% entre os segundos tomam medicamentos além do recomendado.

“O paciente crônico realmente abusa mais de analgésicos”, atesta o neurologista Marcelo Ciciarelli, membro titular da ABN e coordenador da pesquisa.

A questão da utilização de remédios para sanar a dor de cabeça, aliás, é um dos pontos que mais chama a atenção. Entre a totalidade dos participantes, 81% declararam que tomam medicamentos sem a orientação de um profissional.

Esse problema da automedicação se estende entre a própria população. As respostas mostram que 58% das pessoas que sofrem de cefaleia indicam analgésicos para os outros, e 50% aceitam as indicações de não profissionais. Apenas 61% dos entrevistados afirmaram que procuraram auxílio médico para a dor de cabeça.

“A pesquisa indica que as pessoas que estão sofrendo com a cefaleia, principalmente com a enxaqueca crônica, precisam de atenção e muitas vezes não sabem como conseguir. Nosso intuito é mostrar que o melhor caminho para interromper o sofrimento com as dores de cabeça é buscar um bom acompanhamento médico”, conclui dr. Ciciarelli.

Clique no link e veja a pesquisa completa

http://docs.wixstatic.com/ugd/0e461b_ee7c50695806432693344847695e2253.pdf


0 visualização

(11) 3871-2331 | 3873-6083  

 3562-0088 | 99911-8117

Av. Pompéia, 634

Cj. 401 - São Paulo