Cuiabá recebe campanha da ABN pelos 200 anos da Doença de Parkinson


Em 3 de maio, às 14h30, o Centro de Convivência de Idosos Padre Firmino (Av. Beira Rio, s/n, Dom Aquino – Cuiabá, MT), em meio ao seu baile mensal, será palco de palestra que faz parte de campanha pelo Dia Mundial de Combate à Doença de Parkinson, celebrado no dia 11 de abril, mês escolhido pela Academia Brasileira de Neurologia (ABN) para desenvolver a campanha Doença de Parkinson - 200 anos de História e Conhecimento.

“Aproveitaremos a presença de um público, cuja prevalência da doença é alta, para alertar sobre os principais sintomas e as formas de pensar no problema precocemente”, adianta a dra. Heloíse Helena Siqueira, professora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e coordenadora da ação.

A neurologista explica, ainda, que essa conscientização possibilita que o indivíduo fique atento para, em caso de suspeita, buscar ajuda médica. “É fundamental falar da estigmatização da doença, assim como o diagnostico precoce”, completa.

Medicamentos e acompanhamento multiprofissional Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) atestam que cerca de 1% da população mundial acima de 65 anos é portador da Doença de Parkinson. A prevalência estimada é de 100 a 200 casos por 200 mil habitantes. No Brasil, são poucas estatísticas, mas estima-se que 200 mil pessoas sofram da doença.

Novas drogas estão em estudo, algumas já no mercado, como a rasagilina, um inibidor da monoamina oxidase que potencializa a levodopa e pode interferir na evolução da doença. Existem outras não-dopaminérgicas que visam melhorar os sintomas sem os movimentos involuntários anormais, como a istradefilina.

Para o dr. João Carlos Papaterra Limongi, doutor em Ciências pela Faculdade de Medicina da USP, médico neurologista do Grupo de Distúrbios do Movimento do Hospital das Clínicas da FMUSP e membro titular da ABN, é importante salientar nesse contexto que o paciente com Doença de Parkinson não precisa somente do neurologista, mas de um acompanhamento multiprofissional que deve contar com fisioterapia e tratamento fonoterápico, nutricional e psicológico.

De acordo com o dr. Henrique Ballalai Ferraz, membro titular da ABN e professor de neurologia da UNIFESP, há alguns medicamentos importantes que ainda não estão disponíveis no SUS. Os demais remédios conseguem tratar a maioria dos pacientes, no entanto, alguns se beneficiariam se houvesse amplo acesso a essas drogas. “Ainda há uma lentidão para aprovar estes medicamentos mais novos”, diz. Outra deficiência é o acesso ao tratamento cirúrgico com estimulação cerebral profunda. A saúde pública disponibiliza em poucos serviços e é insuficiente para atender as demandas.

Panorama A maior parte da monografia de James Parkinson, publicada em 1817, ainda é considerada correta pela classe médica, em especial os quatro principais sintomas – doença motora caracterizada por tremores de repouso, rigidez muscular, dificuldade com movimentos e alterações posturais. Uma nova percepção ficou evidente nos últimos 20 anos e diz respeito à enorme quantidade de sintomas não-motores, por vezes predominante em determinadas fases do distúrbio.

“O comprometimento cognitivo, que pode acarretar em demências, a disfunção do sistema nervoso autônomo, os transtornos de sono, a depressão e as alterações sensoriais (principalmente do olfato) ganharam um peso considerável, especialmente por sua interferência na qualidade de vida dos pacientes, o que não estava contemplado na descrição clínica original de James Parkinson”, explica Limongi.

“Fazer caminhadas, praticar atividades físicas regulares, conviver com amigos, sair de casa mesmo com as dificuldades, e não se preocupar com as limitações resulta em um tratamento medicamentoso mais bem sucedido, pois a preservação da saúde mental do paciente também é fundamental”, reforça Ballalai.


16 visualizações

(11) 3871-2331 | 3873-6083  

 3562-0088 | 99911-8117

Av. Pompéia, 634

Cj. 401 - São Paulo