Disponibilidade Obstétrica: vitória dos ginecologistas e obstétricas


Decisão judicial proferida em Sorocaba pelo juiz Pedro Luiz Alves de Carvalho reconhece ser legal o contrato particular entre obstetra e paciente para a remuneração pela “Disponibilidade Obstétrica” ou Acompanhamento Presencial do Trabalho de Parto.

A sentença foi dada na ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público de São Paulo em face da Unimed Sorocaba impedir que seus cooperados pudessem ser remunerados ao atender o trabalho de parto e o parto, se não estiver de plantão.

Esta decisão confirma a tese da SOGESP de que o contrato de plano de saúde não confere o direito de a gestante escolher o médico para assisti-la, sem remunerá-lo, se ele não estiver de plantão no mesmo local do parto. Da mesma forma, reconhece que não existe vinculação do médico pré-natalista à parturiente.

O juiz esclareceu que a Unimed Sorocaba não pode impedir a paciente de realizar o parto nos hospitais credenciados pelo fato de contratar médico cooperado para assisti-la. Apesar desta bem fundamentada decisão, o caso não está encerrado. O Ministério Público poderá ainda recorrer dessa decisão ao Tribunal de Justiça de São Paulo.

É a SOGESP sempre preocupada com as melhores condições de assistência à mulher brasileira.

Nova SOGESP Cada Vez Mais Forte.


0 visualização

(11) 3871-2331 | 3873-6083  

 3562-0088 | 99911-8117

Av. Pompéia, 634

Cj. 401 - São Paulo