Pesquisa inédita da APM: Os percalços do médico da linha de frente contra a COVID-19

Iniciativa da Associação Paulista de Medicina registra como está o acesso aos EPIs, as dificuldades para o adequado exercício profissional e os problemas enfrentados em hospitais e unidades de saúde Problemas como a falta de álcool em gel, de aventais, luvas, máscaras cirúrgicas, óculos e outros equipamentos básicos são apontados pelos médicos brasileiros da linha de frente do combate à COVID-19, conforme atesta pesquisa realizada pela Associação Paulista de Medicina (APM), de 9 a 17 de abril. A amostragem tem a participação de 2.312 profissionais de todo o País, que responderam espontaneamente questionário estruturado on-line, via plataforma Survey Monkey. Clique aqui para acessar a apresen

Alerta SOGESP: acompanhamento pré-natal não pode ser abandonado pela gestante em tempos de COVID

Orientação é especialmente relevante neste momento em que o Ministério da Saúde incluiu gestantes e puérperas como grupo de risco para COVID-19 A Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo, SOGESP, reitera às pacientes - e a todos os cidadãos - seu compromisso histórico em prol da redução da morta materna. O Brasil segue ainda bem acima da meta da Organização das Nações Unidas para 2015, que previa a redução de 35 para cada 100 mil nascidos vivos. E mais longe ainda do patamar tido como aceitável pela Organização Mundial de Saúde, de 20 óbitos para cada 100 mil nascidos vivos. Não se deve tirar isso de foco jamais, mesmo diante de circunstâncias de enorme risco, como a re

SOGESP lança manual para médicos enfrentarem o COVID-19

Mais do que nunca, os profissionais de saúde comprovam ser guerreiros, combatendo o coronavírus e dispensando todo o suporte necessário à assistência da população. Entretanto, também precisam adotar medidas de prevenção para reduzir os riscos de infecção, transmissão e até de contrair COVID-19. Nos hospitais, os médicos precisam manter os cabelos presos, usar sapatos fechados e evitar levar materiais pessoais. Já em casa, é necessário atentar-se à higienização: não entrar com os sapatos que circularam em ambiente hospitalar, tomar banho assim que chegar e colocar a roupa direto na máquina de lavar. Além disso, os objetivos pessoais também devem receber atenção especial. A orientação é higien

DrApp x COVID-19

Consultas particulares e exames com 80% de economia – no mínimo - para desafogar filas SUS e dos planos de saúde Em estado de calamidade em virtude do novo coronavírus, o Brasil registrava, até o domingo 5 de abril, 11.130 casos confirmados do Sars-Cov-2. As mortes já eram 486 e a curva apontava para cima, indicando crescimento para os próximos dias e semanas. A perspectiva não é nada boa, se analisados somente os fatos. Hospitais e unidades de saúde, tanto do Sistema Público de Saúde quanto da rede suplementar já não dão conta de atender aos suspeitos de estarem infectados e aos que já contraíram o COVID-19. Esse quadro certamente piorará dia após dia, ao menos por alguns meses. Isso com a

APM lança plataforma para médico comunicar falta de EPIS

Equipamentos de proteção individual (EPIs) são fundamentais no combate ao novo Coronavírus (COVID-19) Os médicos e outros profissionais da Saúde que estão atuando na linha de frente do combate à COVID-19 são verdadeiros guerreiros. Todo dia, ao sair de casa, sabem que podem ter a saúde complicada, mas vão adiante; estão sempre a postos para assistir os brasileiros nesse momento de crise mundial, em virtude do coronavírus. Com o intuito de respaldar esses profissionais e de garantir condições adequadas ao atendimento, a Associação Paulista de Medicina (APM) acaba de lançar uma plataforma para que possam comunicar eventuais faltas de equipamentos de proteção individual (EPIs). Os EPIs são esse

A posição da APM e da Academia de Medicina de São Paulo sobre a portaria 639 do Ministério da Saúde

A portaria 639/31 de março de 2020 é mais uma oportuna iniciativa do Ministério da Saúde no celular combate à COVID-19. Ela tem como objetivo cadastrar profissionais de saúde, capacitá-los, certificá-los e comunicar aos respectivos Conselhos profissionais quem são os capacitados. Para os médicos, capacitar-se é obrigação ética. Vale lembrar o Código de Ética Médica, Capítulo I, parágrafo V. Espera-se que, nas circunstâncias em que vivemos, os que têm condições apresentem-se, pois o interesse do paciente é o primeiro objetivo do médico. "A saúde dos meus pacientes será a minha primeira preocupação", fundamento da Declaração de Genebra* e de nosso Código de Ética Médica, Capítulo I, parágrafo

COVID-19: ameaçador, mas passará

Por Antonio Carlos Lopes* A primeira morte por Covid-19 foi registrada em 11 de janeiro, dois dias após, confirmou-se o primeiro caso fora da China; era 13 de janeiro. Tivemos logo a primeira paciente nos Estados Unidos, em 17 de janeiro, além da confirmação de transmissão de pessoa a pessoa, em 20 de janeiro. Foi com rapidez e sem pedir licença que a nova versão do coronavírus, o Sars-CoV-2, apresentou-se ao mundo oficialmente, há menos de três meses. No início, muitos pensavam tratar-se de uma ameaçazinha, de um sustinho sem a mínima possibilidade de colocar em xeque a humanidade. Ledo engano. Em pouco mais de dois meses e meio, a infecção pelo novo coronavírus está próxima a atingir a mar

Luiz Henrique Mandetta: Amor à Vida, à Ciência e à Ética

A Associação Paulista de Medicina (APM) vem expressar o apoio dos médicos de São Paulo ao nosso ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, pelo brilhante trabalho desenvolvido no combate ao COVID-19. Luiz Henrique Mandetta há muito é referência entre nós, os médicos, reconhecido por sua capacidade técnica e postura ética. Emociona vê-lo incansável, respondendo com serenidade a este imenso desafio: a mais grave crise em saúde enfrentada pela humanidade no século XXI. Em suas ações nosso ministro tem feito prevalecer, fidelidade ao juramento hipocrático, colocando vidas sempre em primeiro lugar. Incansável, sempre com firmeza, equilíbrio e sensatez, Mandetta tem dado inequívocas demonstrações

Home office na pandemia: a luta contra o vírus e dores na coluna

O home office é a estratégia adotada por grande parte das empresas durante a pandemia de COVID-19. Apesar de parecer uma opção muito mais confortável para os trabalhadores, é preciso que estes se atentem aos cuidados com a postura na hora de montar o escritório pessoal. Evitar futuras dores na coluna também está associado ao contexto de prevenção contra o novo coronavírus. O dr. Alexandre Fogaça, membro do Departamento Científico de Ortopedia e Traumatologia da Associação Paulista de Medicina (APM) e chefe do Grupo de Coluna do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IOT/HCFMUSP), começa explicando que, no sofá ou

COVID-19: Lave bem as mãos (e alimente-se melhor!)

Com a rápida disseminação do novo coronavírus, a busca por ferramentas de prevenção à doença cresce a cada dia. Álcool em gel está em falta nas farmácias pelo Brasil, bem como máscaras de proteção. Lavar as mãos virou regra e até ao isolamento foi preciso recorrer. Porém, muitos se esquecem de cuidar de uma das maiores forças contra o COVID-19: a imunização. Atentar-se à defesa do organismo, especialmente daqueles que se encaixam no grupo de risco, é essencial para evitar o contágio. O Dr. Daniel Magnoni, consultor da iniciativa Nutrientes para a Vida (NPV) e presidente do Instituto de Metabolismo e Nutrição (IMeN), explica como a alimentação saudável é vital nesse processo. “Pessoas que se

NOTÍCIAS

(11) 3871-2331 | 3873-6083  

 3562-0088 | 99911-8117

Av. Pompéia, 634

Cj. 401 - São Paulo